terça-feira, 29 de abril de 2008

O que é a Aprendizagem?

Aprendizagem é um processo de mudança de comportamento...
...obtido através da experiência construída por fatores emocionais, neurológicos, relacionais e ambientais. Aprender é o resultado da interação entre estruturas mentais e o meio ambiente. De acordo com a nova ênfase educacional, centrada na aprendizagem, o professor é co-autor do processo de aprendizagem dos alunos. Nesse enfoque centrado na aprendizagem, o conhecimento é construído e reconstruído continuamente.

Quando a educação é construída pelo sujeito da aprendizagem, no cenário escolar prevalecem a resignificação dos sujeitos, novas coreografias, novas formas de comunicação e a construção de novas habilidades, caracterizando competências e atitudes significativas. Nos bastidores da aprendizagem há a participação, mediação e interatividade, porque há um novo ambiente de aprendizagem, remodelização dos papéis dos atores e co-autores do processo, desarticulação de incertezas e novas formas de interação mediadas pela orientação, condução e facilitação dos caminhos a seguir.

A Educação como interatividade contempla tempos e espaços novos, dialogo problematização e produção própria dos educandos. O professor exerce a sua habilidade de mediador das construções de aprendizagem. E mediar é intervir para promover mudanças. Como mediador, o docente passa a ser comunicador, colaborador e exerce a criatividade do seu papel de co-autor do processo de aprender dos alunos.

Na relação desse novo encontro pedagógico, professores e alunos interagem usando a co-responsabilidade, a confiança, a dialogicidade fazendo a auto-avaliação de suas funções. Isso é fundamental, pois nesse encontro, professor e alunos vão construindo novos modos de se praticar a educação. É necessário que o trabalho escolar seja competente para abdicar a cidadania tutelada, ultrapassar a cidadania assistida, para chegar à cidadania emancipada, que exige sujeitos capazes de fazerem história própria. Saber pensar é uma das estratégias mais decisivas. O ser humano precisa saber fazer e, principalmente, saber fazer-se oportunidade. (DEMO, Política Social do Conhecimento).

Os objetivos da aprendizagem são classificados em: domínio cognitivo (ligados a conhecimentos, informações ou capacidades intelectuais); domínio afetivo, (relacionados a sentimentos, emoções, gostos ou atitudes); domínio psicomotor (que ressaltam o uso e a coordenação dos músculos). No domínio cognitivo temos as habilidades de memorização, compreensão, aplicação, análise, síntese e a avaliação. No domínio afetivo temos habilidades de receptividade, resposta, valorização, organização e caracterização. No domínio psicomotor apresentamos habilidades relacionadas a movimentos básicos fundamentais, movimentos reflexos, habilidades perceptivas e físicas e a comunicação não discursiva.

A educação vista sobre o prisma da aprendizagem, representa a vez da voz, o resgate da vez e a oportunidade de ser levado em consideração. O conhecimento como cooperação, criatividade e criticidade, fomenta a liberdade e a coragem para transformar, sendo que o aprendiz se torna no sujeito ator como protagonista da sua aprendizagem. “
Porque nós estamos na educação formando o sujeito capaz de ter história própria, e não história copiada, reproduzida, na sombra dos outros, parasitária. Uma história que permita ao sujeito participar da sociedade”. (Pedro Demo).
Ref: DEMO, Política Social do Conhecimento.

Amélia Hamze
ahamze@uol.com.br

terça-feira, 15 de abril de 2008

O fascinante poder da aprendizagem (Chafic Jbeili)


Poder não é só para heróis dos quadrinhos ou da TV. Não é mera ficção existencial, antes, é força de ânimo e energia de vontade. Poder também indica posses. Chamo de poder toda e qualquer iniciativa para, arriscando-se, conseguir o que se pretende no nível em que se é hábil ou capaz. Neste sentido, "poder de aprendizagem" é canalizar com destreza a latente força humana que emana da energia psíquica, para saciar o desejo de saber, do latim sapere, "ter gosto".

O que é fascinante no exercício deste poder é o esforço em saborear o sentido natural da vida, aprendendo a utilizar com prudência, moderação e objetividade as informações e o conhecimento que se apossou, visando qualidade na integração pessoal e social. A isto chamo de desenvolvimento sadio da capacidade e potencial, intelectual e moral, da pessoa humana em todas as fases de sua vida.

A metanóia humana inicia-se com a aprendizagem. É deste transformar fundamental do pensamento que se efetiva a evolução e a manutenção da vida em todos os sentidos. Aprender é incluir-se no contexto humano como gente. Gente que pensa, que fala e que escreve. Gente que cria e que destrói, não para saciar Tanatos, mas para fomentar Eros no reconstruir o pensar, o fazer ou o aprender, não importa. Aprender liberta, iguala, estabelece e evidencia o ser aprendente. É ele quem traz à existência o ser ensinante. Este paradoxo educacional é fantástico, vez que o aluno, que quer dizer "sem luz", traz à luz aquele considerado iluminado, o seu próprio Mestre!

Poder aprender é condição fascinante na medida em que é quase mágica e totalmente encantadora. O irresistível ato de aprender tem em si força de gravidade vertical, que atrai aleatória e espontaneamente gente de todas as idades, raças, sexos e status sociais. Este ímpeto é reforçado pela tácita tendência humana à satisfação de seus questionamentos e a necessidade em desvelar o desconhecido. Na verdade, o ser aprendente não busca uma resposta, mas a confirmação daquilo que desconfia em sua imaginação. Sendo assim, serão mais beneficiadas nos processos da aprendizagem aquelas pessoas, da criança ao idoso, cuja imaginação seja estimulada e cujas curiosidades não sofram repressão, censura ou mesmo escárnio.

Neste contexto, bom ensinante não é aquele que busca aprovação de seus alunos ou discípulos, querendo provar desesperadamente sua capacidade e seu brilhantismo mas, o bom ensinante é aquele que faz o aprendente perceber-se único, brilhante e capaz. Nas palavras de Hermann Hesse, o ser ensinante original é aquele que diz ao ser aprendente: "Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens, além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo".

---------------------

Faça seu comentário à respeito do texto e emita opinião pessoal sobre como a tecnolgia pode colaborar com a aprendizagem.

"Estar atento significa estar disponível ao espanto. Sem espanto não há ciência, não há criação artística. O espanto é um momento do processo de pesquisa, de busca. Essa postura de abertura ao espanto é uma exigência fundamental ao educador e à educadora. [...] O espanto não é o medo que ele tem nem é coisa de ignorante. O espanto revela a busca do saber."(Paulo Freire)

Cartilha burnout em professores. Distribua!

Análise do desenho infantil em perspectiva psicopedagógica